Whisky

Whisky

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Desvendando Nº 15: The Macallan Fine Oak 12 Anos


A destilaria Macallan foi licenciada por Alexandre Reid em 1824, com o nome de destilaria Elchies, próximo a um vau do rio Spey, em Easter Elchies, e a mansão feudal da região também se tornou parte dela.  Era uma operação em pequena escala, realizada em paralelo aos negócios rurais. Em determinadas épocas do ano a região se tornava boa travessia para os boiadeiros rumo aos grandes mercados do sul. Como era próxima ao vau, a fazenda se transformou no ponto em que os boiadeiros descansavam, compartilhavam histórias, compravam whisky.

Após várias mudanças de comando, foi comprada por Roderick Kemp em 1892, quando contava com uma produção anual de cerca de 180 mil litros. A destilaria foi expandida e permaneceu sob o controle da família até 1996, quando foi comprada pela Highland Distillers (que faz parte do Edrington Group).


Durante a década de 1950, The Macallan se tornou um dos whiskies favoritos para compor blends. Em 1975, o número de alambiques subira para 21, e em 1979 Allan Schiach, descendente americano de Kemp, assumiu o controle da empresa, que passou a maturar seu destilado em barris de xerez. A companhia passou a comprar os próprios tonéis em Jerez, na Espanha.  Seu whisky era comercializado sob o nome Macallan-Glenlivet até 1980. Atualmente o Macallan é um dos mais premiados single malts do mundo.


Na destilaria, pequenos alambiques de espírito se apoiam acima de seus condensadores. Devido à sua pequenez, há menos contato entre o vapor e o cobre dentro dos alambiques, o que resulta num destilado mais pesado. Para criar complexidade e aumentar o contato do vapor com o cobre, acrescentou-se fogo direto no alambique, bem como uma operação de forma lenta. O pescoço pequeno indica que há pouca chance de refluxo. O Macallan é um espírito novo, untuoso, maltado, profundo, mas fundamentalmente doce. E é de opinião, deixa claro desde o início que não será dominado pelo carvalho.


Carvalho na Macallan significa tonéis reservados de ex-xerez, cuja construção, compra e administração é supervisionada pelo mestre de madeira George Espie. Como tem sido tradicional em Jerez há séculos, é usada uma mistura de carvalho europeu (Quercus robur), com seus aromas de cravo e frutas secas e tanino mais elevado, e carvalho americano (Quercus alba), todo baunilha e coco, dando dois segmentos de sabor muito diferentes para manipular, e muitas variações intermediárias.

O que foi inesperado para muitos aficionados do Macallan foi o lançamento, em 2004, da linha Fine Oak, uma edição paralela envelhecida predominantemente em carvalho americano de Bourbon. Sua chegada deixou alguns possessos. Acontece que o Macallan tinha sido acondicionado em carvalho americano por muitos anos, mas sua reputação se construiu em cima do fato de ser um single malt com 100% de envelhecimento em xerez.


A linha Fine Oak não diminuiu a personalidade do Macallan, revelando mais dos tons de cereal e de frutas suaves, porém o argumento de venda “exclusivo em xerez”, deixou de se aplicar.

A controvérsia final foi a recente reclassificação do whisky como uma marca de luxo. Há acusações de que o luxo simplesmente significa consumo supérfluo de produtos caros. A Macallan se defende dizendo que as pessoas estão cada vez mais interessadas nas histórias por trás das marcas, e o luxo está nas histórias, no que é falado, não é fútil. Também significa que as pessoas tem de investir e acreditar que a Macallan gasta mais no seu whisky do que qualquer outro.


O que pude perceber:
Aroma: carvalho e baunilha. Complexo, cheiro de grama cortada, frutado, com leve toque apimentado. Assim que derramei algumas gotas de água, imediatamente os aromas foram intensificados, porém, acentuou mais a baunilha. Bem perfumado. O cheiro da grama cortada se transforma em cheiro de terra molhada. Com uma pedra de gelo fica mais fresco, sente-se mais as especiarias e sobressai o barril de Bourbon.
Paladar: leve, frutado e um pouco apimentado. Final de médio para longo. Com água, nos mesmos moldes ao que acontecera com o aroma, fica mais intenso. Com gelo fica ao mesmo tempo fresco e picante.

Encorpado, cor natural, sem adição de caramelo. Comprei este whisky sem muita pretensão, porque fazia parte da composição do Famous Grouse, que eu apreciava antes de conhecer definitivamente o mundo do whisky. Nem conhecia sua fama. Foi o legítimo tiro no escuro. E acertei.

É um whisky que fica bom de qualquer jeito, puro, com água, com gelo. Cabe ao apreciador verificar como ele irá beber. Na minha opinião, com uma pedra de gelo ou puro. Existem várias versões de Macallan. A minha, adquiri em um Free Shop ao preço de U$ 41,00. Nas lojas brasileiras custa em torno de R$ 440,00. É uma versão de 12 anos da linha Fine Oak, de caixa marrom. Atualmente a garrafa está sendo vendida com caixa azul.

Ainda bem que existem estas versões mais "acessíveis" para poder apreciar uma boa bebida a um bom preço, pois os preços da Macallan não são baratos, com expressões atingindo R$ 750.000,00. Isso mesmo, não errei nos zeros.

O que eu e a Macallan temos em comum? Também acho que o luxo está na história por trás de cada garrafa.



The Macallan Fine Oak 12 Anos


Single Malt: Speyside Teor Alc 40%


Com menos influências de xerez do que o padrão 12 anos, neste revela-se um pouco mais do caráter de maltado, fresco e revigorante da destilaria.


Saúde.












Fonte: Whisky de A a Y, O atlas mundial do whisky, o livro do whisky, whisky

34 comentários:

  1. Boa tarde, parabéns pelo blog, já tive a oportunidade de beber esse The Macallan fine oak azul, simplesmente divino, não durou mais de dois dias, perfeito este é meu preferido até então, não resisti e adquiri recentemente o Âmber, mas devo prová-lo somente em 2015, se souber algo a respeito fique a vontade para comentar.
    Abraço.
    Paulo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Paulo.
      Realmente o Macallan Fine Oak é um excelente whisky. Quanto ao Amber, ele é resultado de uma tendência que vem sendo adotada por várias destilarias. Como estocar os maltes por muito tempo se a demanda só vem aumentando ultimamente? A saída é criar rótulos sem especificação de idade, o que vale dizer que whiskies mais jovens entram na composição. O que não vale dizer que a qualidade seja inferior. A Macallan lançou uma série com quatro rótulos: Gold, Amber, Sienna e Ruby, refletindo as cores reais dos whiskies desta série. No mercado brasileiro, estão à venda o Amber e o Ruby, o que equivaleriam, em termos de cor e sabor, a um 12 e 18 anos, respectivamente. O Amber é maturado exclusivamente em barril de xerez, possui um aroma de baunilha, limão e gengibre, com um sabor frutado de maçã com um pouquinho de canela. Espero que aprecie. Vai esperar até 2015 mesmo?

      Excluir
    2. Acredito que sim, afinal só faltam 15 dias.
      obrigado pela atenção
      Abraço

      Excluir
  2. Michel, boa tarde! Em primeiro lugar parabéns pelo blog e principalmente por essa postagem, muito esclarecedora. Porém me restou uma dúvida. No corpo do texto você cita que o preço médio do Fine Oak 12 anos no Brasil gira em torno de R$ 440,00 reais (paguei exatamente esse valor na garrafa que comprei), o que é um pouco "salgado" para quem quer apreciar esse belo whskiy com frequência.
    Diante disso lhe pergunto, você compra suas garrafa aqui no país, viaja muito ao exterior para comprá-las ou utiliza algum site internacional que despache mercadorias para o Brasil?
    Mais uma vez parabéns pelo Blog!
    Boa tarde!
    Fernando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia Fernando. Que bom que tenha gostado do blog. Realmente, com os preços praticados no Brasil fica difícil apreciar bons whiskies com a frequência de que gostaríamos. É impraticável. Eu adquiro as garrafas que são mais caras, sempre que posso, em viagens ao exterior. É muito mais barato. Aproveito então para reforçar o estoque.
      Um abraço e continue acompanhando os posts.

      Excluir
  3. Saudações Michel.

    Adquiri um fine oak hoje.

    Ainda estou namorando ele... Mas é bem mais marcante que o Glenfiddich ou o Glenlivet 12 anos.
    Depois volto a comentar sobre ele.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente é bem mais marcante que os outros dois Heliton. Mande seus comentários depois. Abraço.

      Excluir
  4. Caro Michel Hansen
    parabens pelo blog, bastante precisas suas informações. sou fã do johnnie walker, mas recentemente descobri o The Macallan e fiquei muito entusiasmado. até o momento, só degustei o Select Oak (2 garrafas, hehe). o que vc me sugere para a próxima compra ? o Amber, o 12 anos, ou o Ruby ?
    parabens mais uma vez pelo blog.
    saudações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde. Que bom que tenha gostado do blog. Procuro trazer informações sempre atuais e idôneas. Quanto ao Macallan, é um whisky excepcional, quaisquer que sejam suas versões. Na minha opinião, sugiro uma escalada de sabores: 12 anos, amber, sienna e ruby. Um abraço.

      Excluir
    2. Boa tarde. Que bom que tenha gostado do blog. Procuro trazer informações sempre atuais e idôneas. Quanto ao Macallan, é um whisky excepcional, quaisquer que sejam suas versões. Na minha opinião, sugiro uma escalada de sabores: 12 anos, amber, sienna e ruby. Um abraço.

      Excluir
  5. Olá
    Parabéns pelas postagens.
    Uma dúvida: o rótulo branco mudou para o azul? apenas isso?
    Grato

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Paulo Sergio Valle. Exatamente isto, somente mudança de rótulos. Continue acompanhando. Um abraço.

      Excluir
  6. Olá Michel
    Mais uma vez parabéns pelo blog. Informações claras e sem mistérios.
    Solicito sua opinião no seguinte: Já Provei o macallan Amber e o Fine 12 anos, gostei dos dois, cada um dentro de sua proposta. Estou pensando em adquirir um Macallan Select Oak. Vc tem suas impressões sobre ele. Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Paulo, mais uma vez obrigado. Minhas impressões sobre o Select Oak, aquele com rótulo verde não são muito boas. É um Macallan, você sente as características da destilaria, o malte pesado, mas falta muito para ter a qualidade das outras edições. É um whisky que peca muito, talvez até pelo pouco tempo de maturação. Não gostei muito não. Um abraço.

      Excluir
    2. Se optar por comprá-lo, conte para nós suas impressões. Abraço.

      Excluir
    3. Olá. Optei por adquirir um Macallan Select Oak e atendendo sua sugestão, estou aqui para expor minhas impressões.Serei bem simples e sucinto, já que não sou especialista, apenas um apreciador iniciante dos singles maltes.Realmente o Amber é melhor mas o Select faz um bom papel trazendo uma sensação menos doce no palato e um pouco mais seco. Achei agradável. Considero uma boa opção, ainda mais considerando-se as dificuldades em se conseguir bons singles maltes no Brasil. (R$300,00 - 1Litro)
      Abraço

      Excluir
    4. Paulo, obrigado por compartilhar suas impressões conosco, quanto mais opiniões melhor. Que bom que gostou do whisky então. Realmente, estamos num mercado onde não se dá muito valor aos single malts e em consequência, fica difícil obtê-los. Um abraço.

      Excluir
  7. Harvey Specter de Suits, uma das melhores séries da atualidade, é fascinado por uísques, principalmente os da Macallan. Seu favorito é o Macallan 18. Algum dia pretendo degustar algum uísque desta importante destilaria, mas por hora, o que cabe no meu orçamento são os blends de bom custo-benefício heheheh, abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gosto bastante de séries também, mas ainda não tive a oportunidade de assistir esta série. Está anotado na minha lista de próximas séries. Quanto à Macallan, realmente é uma destilaria que preza muito pela qualidade de seus whiskies. Quando tiver a oportunidade, prove. Um abraço.

      Excluir
    2. Boa! Adoro séries também, Vikings é a minha favorita heheh. Sobre Suits, é uma ótima pedida. Série inteligente, com muitas lições pra vida e também com muitos uísques hahahah, isso não falta nos episódios, vai gostar disso eu garanto. Sobre os uísques da Macallan, quando eu tiver a oportunidade não irei deixar passar em branco mesmo, isso vale para os Highland Park também. Um abraço!

      Excluir
    3. Suits será minha próxima série, garanto. Vikings está na minha lista mas ainda não tomei coragem para iniciar. Quanto aos Highland Park, também são uma categoria à parte, excelentes. Não irá se arrepender.

      Excluir
    4. https://m.youtube.com/watch?v=OvGh7HfMKeg Este rapaz do Whisky Brasil fez um review também do Fine Oak 12, até citou Suits no review (4 min), mas descendo o pau neste Macallan... A velha soberba de não saber analisar o produto de acordo com sua faixa de preço (ele cuspiu um whisky 12 anos em um vídeo). Por isso amigo, parabéns por ser sensato e analisar os whiskys de acordo com sua faixa de preço e público! Gostei bastante do seu blog e do Cão. Abração! Vou continuar acompanhando... Saúde!

      Excluir
    5. vikings e got as melhores séries da atualidade, a quinta temp de vikings tá foda dms, suits ñ conheço. sobre os macallan, já provei o ruby e o fine oak 10, são realmente excelentes principalmente o primeiro. recomendo também quando tiver oportunidade, dar atenção aos highland park e lagavullin.

      Excluir
    6. Obrigado pelas palavras. A intenção do blog é justamente passar informação sobre os whiskies para todas as faixas de preço. Sei que muitos não tem acesso a variedades de whisky, seja pela localização, falta de mercado ou mesmo poder aquisitivo, mas informação não pode faltar, está ao alcance de todos. E foi para preencher esta lacuna que criei este blog, para trazer informações principalmente sobre whiskies mais acessíveis e fáceis de encontrar em nosso mercado, afinal, de que vale um review de um whisky que não se tem acesso? Espero que com o tempo nosso mercado comece a ampliar e ofereça a variedade que vemos nos outros países. Enquanto isso, focamos no que temos aqui. Ah, e o Blog do Cão é realmente fantástico.

      Excluir
    7. Vikings está no plano e GoT já assisti todos, fantástica. Macallan Ruby é espetacular e o 10 Fine Oak não experimentei. O Highland Park 12 anos tem um review aqui no blog e em seguida sairá outro do Einar. Lagavulin em produção. Um abraço.

      Excluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Macallan, famoso whisky de burguês, de milionário, de filmes como 007 e de seriados como Suits. Até os mais baratos da destilaria como este FO12, são caros. Porém, sempre saborosos. Tradição e qualidade 10/10. Como diria Jim Murray: "Macallan é Macallan!".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, a fama da Macallan a precede. Tirando algumas edições onde acho que ela errou a mão, é sempre Macallan.

      Excluir
  10. Acabei de abrir um fine oak, sou péssimo de paladar para sentir notas, mas o que senti e consegui destacar foram especiarias e/ou sabor do álcool (não forte, mas evidente). Sou acostumado com blends, um dos meus preferidos é o old parr (nem se sente o álcool nele). Comprei o Fine Oak achando que ia ser suave tanto quanto (pelo menos na questão de não sentir o álcool). Li que os macallans possui uma destilaria "mais pesada", o que as vezes isso é confundido com "um whisky forte", com álcool evidente (apesar que de suave, mas evidente), mas que na verdade é essa presença marcante de especiarias. Você acha que isso pode ter acontecido comigo? Você nota a presença clara do álcool ao degustar, mesmo que não forte?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leandro, a Macallan é conhecida por ter um malte pesado e rico em especiarias devido à tradição do envelhecimento em barris de xerez. Esta tradição foi quebrada justamente pela linha Fine Oak, que introduziu os barris de carvalho americano ex-bourbon na conta, o que contribuiu para dar uma "suavizada" no Macallan. Sim, no início confundimos um malte mais pesado ou com grande influência de especiarias com álcool evidente. Mas é certo também que o álcool está presente em todos os whiskies, afinal, é composto basicamente dele e água. O trabalho das destilarias é justamente o de dar sabor e aromas a este álcool através da maturação nos barris e desta forma fazer com que o álcool em si seja o menos perceptível possível. Claro também que algumas pessoas tem mais sensibilidade que outras e irão sentir mais ou menos álcool em uma bebida, assim como a familiaridade com a bebida fará com que se possa distinguir o que é álcool do que não é. No meu caso, sinto sim a presença de álcool na maioria dos whiskies. Como disse, uns mais e outros menos, mas ele está lá. A diferença é que em alguns whiskies ele incomoda e em outros não. Espero ter esclarecido. Um abraço.

      Excluir
    2. Não só esclareceu como deu aula rss. Eu comprei o Fine Oak com a ideia de tomar no meu casamento por falarem que é um whisky fácil de se tomar e servir o old parr aos convidados. De fato eu acho ele fácil, só que acho o old parr mais fácil ainda rs. Claro que não sou apreciador assim de whisky, tomo ocasionalmente, talvez até por isso o paladar sinta tanto o álcool como as especiarias com mais evidência de quem toma com certa frequência, mas com o old parr eu praticamente não sinto e isso que me deixou curioso porque em tese é um whisky inferior né...

      Excluir
    3. Leandro, o seu paladar já está treinado para o Old Parr. Assim, quando você experimentar outros whiskies, certamente irá notar as diferenças entre eles mais nítidas. Será interessante notar também que conforme você ir bebendo a sua garrafa do Fine Oak, seu paladar irá se acostumar também a ele. Quando experimentar um whisky mais leve, perceberá a diferença gritante novamente. O que fascina no mundo do whisky é justamente isto, a diferença que há nos sabores e aromas das diferentes marcas e que utilizam a mesma matéria prima, cevada e água. Como podem ser tão diferentes? isso é o que deixa interessante. Quanto a questão do whisky ser inferior eu procuro ver de outra forma: são categorias diferentes e como tal, devem ser analisados de forma diferente, cada um na sua categoria. E na categoria dos blended de 12 anos, acho o Old Parr um whisky fantástico. Abraço.

      Excluir

Dê sua opinião: