Whisky

Whisky

domingo, 29 de novembro de 2015

Desvendando Nº 32 - 100 Pipers


Criado em 1965 pela empresa Seagram, o 100 Pipers recebeu seu nome em homenagem a uma canção escocesa antiga. Simboliza a visão de 100 gaitas de fole conduzindo a marcha do exército sobre a cidade de Carlisle. Diante do temor do barulho o exército inglês, atordoado, bateu em retirada.

Quando a Seagram Company buscava uma marca para competir no setor de maior valor agregado, ela se inspirou na canção e deu o nome de 100 Pipers à sua marca. Tinha esperanças que, do mesmo modo, os concorrentes corressem de medo.

Com preço competitivo, foi um grande ícone da categoria “custo-benefício” do mercado de whisky escocês, onde teve um sucesso imediato. No Reino Unido, porém, por razões óbvias, foi depreciado.

O blend contém Alt-a-Bhainne, Braeval, Glenlivet e Longmorn. A Seagram desenvolveu a marca e ela continua a prosperar sob seus novos proprietários, a Chivas Brothers (que pertence à Pernod Ricard). Hoje, é um dos 10 Blends mais vendidos do mundo.

A venda do 100 Piper cresce em vários países, sendo o mais vendido na Tailândia. Espanha, Venezuela, Austrália e Índia, vêm logo atrás.


O que pude perceber:
Cor: âmbar claro, pouco viscoso.
Aroma: sente-se um aroma diferenciado, de frutas secas, talvez passas e frutas cristalizadas. Diferente do que eu esperava, sem muita influência dos whiskies de grãos e sem a presença pungente do álcool. Passa a sensação de algo mentolado. Com um pouco de água, acentuam-se os aromas mentolados e também surgem especiarias. Qualquer traço de álcool some. Com uma pedra de gelo, aromas de cereais e malte, além de uma sensação de cheiro de terra molhada.
Paladar: caramelo, cereais, um pouco picante. Uma ligeira dormência na boca, não muito forte, e finaliza com cereais. Com água, fica mais sedoso porém, sente-se agora o gosto dos whiskies de grãos e também um pouquinho de álcool. Já com gelo, achei que ficou aguado, perdendo suas características. No final ainda perdura um pouco de cereais, Ficou muito leve.

É um whisky suave, ótimo para ser misturado. Há outras opções melhores no segmento de blends standards. Nesta degustação levei vantagem. A garrafa que comprei de 1 litro veio com uma miniatura de brinde, de modo que não precisei abrir uma garrafa inteira. Como dá para perceber, uma garrafinha destas equivale a uma dose bem generosa.




100 Pipers

Blend Teor Alc 40%


Coloração pálida. Um whisky leve e muito misturável, com um paladar uniforme e, aida assim, um suave sabor defumado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dê sua opinião: