Whisky

Whisky

sexta-feira, 11 de março de 2016

Desvendando Nº 36: Ballantine's 12 Anos


George Ballantine, filho de um fazendeiro de Peeblesshire, completou em 1827 seu aprendizado de cinco anos com Andrew Hunter, dono de mercearia e comerciante de destilados de Edimburgo. Com apenas 18 anos decidiu iniciar seu próprio negócio. Em 1836, já possuía o estabelecimento Mercado de Vinhos e vendia whiskies.

George se casou com Isabella Mann em 1842, e juntos tiveram três filhos: Archibald, George e Daniel. O patriarca fundou, com seus filhos, uma grande empresa, que em seguida expandiu sua área de atuação com uma filial em Glasgow.

George começou experimentações inovadoras, misturando vários whiskies de diferentes destilarias para produzir algo mais leve e sofisticado, criando um estilo consistente para seus clientes. Desse modo, o Ballantine's se tornou uma das primeiras marcas de whisky. Em 1879, um artigo de um jornal de Glasgow disse que a George Ballantine & Son "cultivou excelente reputação de misturadora do bom e velho whisky das Terras Altas".


Ele continuou seus experimentos. Os efeitos do envelhecimento e a importância do uso de barris de primeiro enchimento foram típicos da imaginação e inovação de Ballantine e cruciais para o estabelecimento do blended scotch como líder entre as bebidas internacionais.

Isso precedeu um período de expansão e culminou, em 1881, com a inauguração das lojas Ballantine's Blended e dos depósitos de engarrafamento para exportação em Granton, perto de Edimburgo. Ao morrer, em 1891, aos 81 anos, George deixou para seus filhos uma empresa que ia muito bem, com mais de 90 mil litros de whisky maturando sob retenção alfandegária.

Em 1895 a Rainha Vitória conferiu à George Ballantine & Son o título real, que permaneceu até 1906, quando o Rei Eduardo VII assumiu o trono.


A Ballantine's faz parte da Chivas Brother's, responsável pelo whisky escocês da Pernod Ricard, a segunda maior empresa de vinhos e bebidas destiladas do mundo. Atualmente, a linha da Ballantine's é considerada a mais extensa do mundo, incluindo o Ballantine's Finest (o engarrafamento padrão) e os Ballantine's 12, 17, 21 e 30 anos.

Pioneira no desenvolvimento de blends envelhecidos, seu carro-chefe, o 30 anos, foi elaborado pela primeira vez no fim da década de 1920 com estoques especiais de maltes e grãos escoceses, guardados durante muitos anos, com o objetivo de criar um produto da mais alta qualidade. Essa visão tão antecipada e impressionante permitiu que a marca conquistasse uma posição forte no topo do mercado e se mantivesse estável, apesar das várias mudanças de proprietários da empresa.

Os single malts de Speyside, Glenburgie e Miltonduff formam a base do blend. Porém, maltes de todas as regiões da Escócia são empregados. Para a maturação, a Ballantine's prioriza o uso de barris utilizados para armazenar bourbons, por causa das influências de baunilha e notas doces e cremosas que trazem para o blend. A Destilaria Glenburgie foi completamente reformada e modernizada, sendo, atualmente, a casa do Ballantine's.


Curiosidade: os armazéns da Ballantine são vigiados por um tipo bem diferente de guardas, que não vestem uniformes nem carregam rádios: um bando de gansos conhecidos como “Vigilantes do Ballantine”. É uma das principais marcas de whiskies do mundo, com duas garrafas vendidas a cada segundo.

O que pude perceber:
Cor: dourado claro, pouco encorpado.

Aroma: suave, cereais, adocicado, baunilha, cevada maltada. O álcool não é evidente se deixar um pouco descansando no copo. Pode-se perceber um frutado também, algo como maçã e banana. Com um pouco de água libera um aroma terroso, de terra molhada. O álcool some totalmente e predominam os cereais. Fica ainda mais suave e agora, também um pouco seco.Continua doce com a baunilha agora mais evidente. Com uma pedra de gelo a cor mudou para um ouro brilhante. No aroma, mais suavidade, agora com ênfase no malte. Zero de álcool no nariz. Continua a sensação de terra molhada, baunilha e cereais. Desta vez, a nota frutada que senti foi de pera.

Paladar: frutado e floral, malte, cereais, um pouco dos whiskies de grãos é sentido, além de uma ligeira dormência na boca. Depois de tudo isso, vem um pouco do álcool. A água não foi muito bem vinda no paladar. Mascarou muitos sabores sentidos anteriormente. Continua aquela finalização com álcool, só que agora um pouco mais brando. Em contrapartida, acentuou o sabor de malte. Com gelo, nota-se uma mistura entre doce e um azedinho cítrico. Fica bem suave e sedoso. No final, assim como antes, vem o álcool.

Eu sou suspeito para falar deste blended. É algo sentimental. Foi meu primeiro whisky, o que iniciou a paixão pela bebida e o que me fez torná-la um hobby. Foi a bebida que me abriu as portas para o mundo do whisky.

Não me recordo se já contei esta história aqui. Se já, vou contar de novo. Eu não conseguia nem chegar perto de whisky por conta de um “trauma” na adolescência (leia-se beberagem). Passei muito mal. Nunca mais quis saber de whisky. O cheiro me incomodava. Até que, em um aniversário de um amigo, me foi oferecido o Ballantine's. Torci o nariz de início e fiz menção de agradecer e rejeitar a bebida. Na última hora aceitei. Sorte. Não me arrependi da decisão. Todos os conceitos que eu tinha até então (nada, na verdade) mudaram ali. Que bebida boa, pensei. E a partir daquele momento, resolvi pesquisar e procurar saber cada vez mais sobre a bebida. Claro que com a pesquisa descobri whiskies muito melhores mas, este, sem dúvida alguma, tem um lugar especial em minha coleção.

É um whisky que não é muito complexo, mas é honesto pelo que entrega e pelo preço que é cobrado. Dos whiskies na sua faixa, é o mais barato. E irá agradar a vários paladares, principalmente quem estiver começando a apreciar a bebida e não quer um whisky muito forte para começar.




Ballantine's 12 Anos

Blend Teor Alc 40%


De cor dourada, com uma doçura de mel no nariz e baunilha adquirida do carvalho. Textura cremosa e palato equilibrado, com notas florais, de mel e de baunilha vindas do carvalho. Alguns degustadores detectam um pouco de sal.

17 comentários:

  1. Respostas
    1. José Tiago de Castro, obrigado. Acompanho seus vídeos também. Muito bons.

      Excluir
  2. Entendo perfeitamente esse sentimento. Ballantine's foi o que me fez gostar de whisky. Hoje em dia sou muito fã dos bourbons, mas dos scotchs, é um dos meus preferidos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcos Correia, mantenho sempre uma garrafa dele no estoque. Um abraço.

      Excluir
  3. Excelente texto! Obrigado pela resenha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Joaquim. Continue acompanhando. Um abraço.

      Excluir
  4. Começando agora no mundo dos uísques. Vou comprar para provar! Obrigado pelas dicas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se comprá-lo, irá começar bem. Comecei por ele também. Espero que curta. Um abraço.

      Excluir
  5. Ótimo texto! Este também foi meu whisky de entrada! Hoje gosto harmonizar este com um charuto muito especial pra mim, o Quinteiro Favoritos que também foi meu charuto de entrada ...

    ResponderExcluir
  6. Samuel Alves, olha que coincidência. O Quintero Favoritos é um dos meus charutos "favoritos" também. Não foi o meu de entrada mas, entre os cubanos, está entre os melhores custo x benefício do mercado. Quem sabe abrimos aqui uma discussão sobre charutos também? Um abraço e continue acompanhando.

    ResponderExcluir
  7. MT bom o texto. Eu também sofria do mesmo "trauma". Agora estou voltando a degustar a bebida. Vou provar o Ballantines. Achei o Chivas 12 anos mais fraco/leve do q o JW, sendo q o Chivas me agradou mais. Foi só impressão ou é isso mesmo? Grato. Vinícius Stedele, de Porto Alegre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vinícius, que bom que está voltando a apreciar a bebida. O Ballantinnes 12 é ainda mais suave que o Chivas 12. E a sensação de ser mais fraco/leve do que o JW Black se deve ao fato de o Black ser defumado e passar uma sensação de ser mais forte e encorpado. Um abraço e continue acompanhando.

      Excluir
    2. Obrigado Vinícius. Depois de experimentar o Ballantines, nos conte suas impressões. Abraço.

      Excluir
  8. Bom dia. Achei o álcool MT perceptível no paladar. Comparando, prefiro o Chivas 12 anos. ABS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. vinícius, obrigado pelo feedback. Para perceber menos álcool, deixe descansar um pouco no copo antes de beber. Já elegeu o Chivas 12 como seu preferido. Parabéns. Um abraço.

      Excluir

Dê sua opinião: