Whisky

Whisky

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Desvendando Nº 43: Grand Macnish


Recomendado por Ernest Hemingway, um homem que conhecia o que bebia, o Grand Macnish tem uma longa história com origem em Glasgow, em 1863, quando o merceeiro Robert McNish (mais tarde seria introduzido um “a” no nome da marca) passou a se dedicar ao blending. A empresa foi conduzida por seus dois filhos, John e George, que expandiram os negócios no auge do whisky, durante a década de 1890. As coisas se tornaram difíceis depois da Primeira Guerra Mundial, e a família vendeu a destilaria para a canadense Industrial Alcohol (mais tarde seria a Corby Distilleries) em 1927.

Hoje a Grand Macnish está de volta a Glasgow, sob a administração da MacDuff International, que desenvolve um perfil internacional para a marca e tem a inconfundível garrafa retrô com reentrâncias. Duas expressões blended estão disponíveis: Grand Macnish Original, que usa mais de 40 whiskies no blend, como Robert McNish fazia, e um 12 anos, descrito pela empresa como “mais maduro, frutado e com mais malte”. A garrafa dá a Grand Macnish uma presença marcante na prateleira, e o rótulo tem o lema do clã McNish: Forti nihil difficile (Para o forte nada é difícil).


O que pude perceber:
Características: cor dourada, médio corpo.
Aroma: um pouco de álcool perceptível, mas nada que incomode muito. Passado este início, vem os aromas mais interessantes. Malte e grãos são sentidos ao mesmo tempo, de forma bem equilibrada, um contrapondo-se ao outro. Suave, um pouco de caramelo, amêndoas, um pouco seco, e só então os cereais acabam tomando conta de tudo. Lembra um pouco biscoito de maisena. Adicionando um pouco de água, faz destacar os cereais. A presença do álcool some, deixando uma sensação de crocância, de biscoitos. Com uma pedra de gelo, os cereais dão a tônica no aroma, ficando mais evidentes. O álcool some. O adocicado do caramelo volta um pouco mas não chega a fazer frente aos cereais.
Paladar: cereais, biscoito, um pouquinho de malte. Leve dormência na boca. Finalização bastante curta. Não há a presença de defumado. Com um pouco de água, confirma a crocância, o abiscoitado, porém desta vez aparece um leve amargor. A dormência na boca diminui, mas ainda está presente. Com gelo, o gosto de azedo some, dando lugar a algo que identifiquei como mentolado. O sabor foi melhorando à medida que o gelo ia derretendo, ficando mais palatável.

A minha versão deste whisky é uma edição comemorativa dos 150 anos da The Robert Macnish Company. Achei um whisky bruto, que não faz concessões. É um whisky pesado, simples, sem muita complexidade. Não entrega muito em termos de sabor e gosto. Na verdade, o que chama a atenção é sua garrafa em forma de diamante. É um daqueles whiskies que compramos pelo apelo da embalagem, que é muito bonita.




Grand Macnish Original

Blend teor Alc 40%


Couro antigo e frutas maduras que dão lugar a um aroma parecido com o de conhaque. Notavelmente doce no palato, com influências fortes de baunilha (madeira). Um final prolongado e evolutivo com um defumado suave.

5 comentários:

  1. Boa tarde, Michel!!! Particularmente, achei esse whisky mais gostoso que o Johnnie Walker Red. Da marca Johnnie Walker, a partir do Black Label. Já com o Macnish, de fato pude perceber as características citadas por você. É um bom whisky; Não a melhor coisa, claro, mas é muito bom para se tomar ouvindo por exemplo, um Prog Rock!!

    ResponderExcluir
  2. Boa noite Maurino Júnior. Para o Macnish um Prog Rock, já para o Red, um Hard Rock, hehe. Obrigado pela colaboração e continue acompanhando. Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. Oi Michel!
    Se for possível , prepara uma resenha sobre Grand Macnish-12-anos. Experimentei há uns anos atrás e gostei muito !
    Um abraço .
    Marcelo Ribeiro

    ResponderExcluir
  4. Marcelo Carlos Ribeiro, está anotada a dica para um próximo review. Acompanhe. Um abraço.

    ResponderExcluir
  5. Boa Michel!.
    Esse foi um dos primeiros que comprei, faz muito tempo mesmo!
    Mas para um garoto que que começou com Jonnie Red e Chivas 12 anos, esse whisky realmente é bruto, lembro-me que eu e meus irmãos tiramos a tarde para bebê-lo , foi meio difícil de descer!

    ResponderExcluir

Dê sua opinião: