Whisky

Whisky

sexta-feira, 30 de maio de 2014

Desvendando Nº 3: Wild Turkey 81 Proof

Wild Turkey é uma marca de Bourbon destilado e engarrafado pela divisão Austin Nichols do Grupo Campari. A destilaria está localizada perto de Lawrenceburg, Kentucky. Oferece passeios e faz parte do American Whiskey trail e do Kentucky Bourbon Trail.

Os irmãos Ripy construíram uma destilaria em Tyrone, Kentucky perto de Lawrenceburg em 1869, consolidaram-na em 1905 e retomaram a destilação após a Lei Seca. A destilaria foi comprada em 1952 pelos irmãos Gould. Por sua vez foi comprada pela Pernod Ricard em 1980. Em 8 de abril de 2009, o Grupo Campari anunciou a aquisição da marca e da destilaria da Pernod Ricard.
A marca Wild Turkey foi criada em 1940, quando o presidente da Austin Nichol, Thomas McCarthy, escolheu alguns dos bourbons puros, com 101 proof, dos armazéns da empresa para levar em uma caçada ao peru selvagem (wild turkey). No ano seguinte, seus amigos lhe pediram "um pouco daquele whiskey peru selvagem", e uma marca nasceu. A versão 80 proof foi introduzida em 1974.
O rótulo de Wild Turkey carrega uma ilustração vividamente impressa de seu homônimo. Nos EUA, cinco variedades de bourbon geralmente estão disponíveis: 81 proof (anteriormente 80 proof), 101 proof, Kentucky Spirit, Russell Reserve, e Rare Breed. Wild Turkey Kentucky Spirit é uma versão single barrel 101 proof; Russell Reserve é um 10 anos de idade nomeado pelo mestre destilador Jimmy Russell, de 90 proof; Rare Breed (que é um blend de 6, 8, e os estoques de 12 anos de idade, em 108,4 proof).

Outros lançamentos da Wild Turkey incluem a edição limitada Wild Turkey Tradition, Wild Turkey Bourbon 81 proof, Wild Turkey 81 proof Rye Whiskey, Wild Turkey Spiced, e Wild Turkey Forgiven (blend de centeio e Bourbon).
A marca Wild Turkey também inclui whisky de centeio, feito a partir de uma mistura de cerca de 65% de centeio, 23% do milho e 12% de cevada maltada em 101 proof. Wild Turkey Rye 101 estava ausente do mercado por cerca de um ano, durante 2012 – 2013, devido à demanda inesperada e, em seguida, ressurgiu em novembro de 2013.
Wild Turkey 101 ganhou um prêmio "Editor’s Choice" da revista Whisky . Internacional Spirit Rating Organizations sempre deram opiniões favoráveis ​​ao Wild Turkey 101 Single Barrel. Proof66.com, agregador de opiniões de vários "expert", coloca o 101 Single Barrel com nota 97 entre todos os bourbons avaliados.

Em 9 de maio de 2000, um incêndio destruiu um armazém de envelhecimento de sete andares na empresa em Anderson County, Kentucky. Ele continha mais de 17.000 barris de whiskey. Whiskey flamejante fluiu a partir do armazém deixando as madeiras em chamas. Um depósitos de calcário que havia por perto explodiu. Mas os bombeiros conseguiram salvar a estação de tratamento de água de Lawrenceburg da destruição. No entanto, cerca de 20% do whiskey desaguara no rio Kentucky. A contaminação do rio tornou necessário o desligamento temporário da estação de tratamento de água e funcionários ordenaram restrições de uso da água. Empresas e escolas foram fechadas por causa da falta de água. O vazamento de álcool também esgotou o oxigênio no rio, matando cerca de 228 mil peixes ao longo de um trecho de 66 milhas. A EPA e a Guarda Costeira aeraram o rio usando equipamentos montados em barcaças. A empresa pagou $ 256,000 para o Departamento de Pesca e Vida Selvagem de Kentucky, em um esforço para restaurar a população de peixes no rio.
Em 2011, um anúncio de vídeo promocional chamado "Dê-lhes o pássaro" foi destaque no site do produto, página no Facebook e na página do YouTube que destacava um gesto do dedo médio. Em agosto de 2011, o conselho de revisão do Conselho de Bebidas Destiladas dos Estados Unidos (DISCO), dos quais Campari EUA é membro, determinou que a propaganda violara o código do conselho de práticas éticas e disse que "o gesto é indecente e o anúncio não cumpre os padrões contemporâneos de bom gosto". De acordo com o DISCO, a empresa não concordou com a interpretação do conselho, mas concordou em retirar o anúncio.
Nos últimos anos Wild Turkey tem ganhado uma reputação mais sofisticada. Sua reputação era a de ser um produto de baixo custo, altamente alcoólica, aparecendo na cultura popular, muitas vezes para sugerir um produto áspero, “para macho”, uma pessoa que tenha caído em tempos difíceis ou até mesmo uma pessoa com traços de desleixo.
Hoje o Wild Turkey é destilado sob os olhos atentos do lendário mestre destilador Jimmy Russell e de seu filho Eddie (o primeiro é a quarta geração dos Russell a trabalhar na destilaria e tem 25 anos de experiência).
Minhas observações:
Este é um whiskey envelhecido entre 6 e 8 anos e seu teor alcoólico é de 40,5% (81 Proof, para saber a porcentagem, basta dividir por 2). Em seu rótulo existe um conselho: aprecie puro ou em uma mistura. Os americanos gostam muito de misturar Coca-cola em seus bourbons. Já o mestre destilador Jimmy Russell aconselha bebe-lo com gelo.
Aroma: quando se abre a garrafa, o aroma literalmente salta para fora. Forte, porém agradável, perfumado, doce. Pode-se sentir um pouco do carvalho, um pouco de caramelo, mas, principalmente do milho. Não é aconselhável adicionar água em um Bourbon, principalmente com este teor alcoólico, mas como estava já na brincadeira, por que não? Quando adicionei água o aroma que senti foi o de pipoca. E palha de milho. Acrescentando gelo, os aromas ficaram ainda mais agradáveis. Depois que transferi o whiskey para um copo com gelo, deixei a taça de degustação parada por um tempo. Depois, após sentir seu aroma novamente, senti um aroma que lembrava poeira.
Sabor: é doce, não agride o paladar, mas depois de um tempo, sente-se um leve formigamento na língua. É licoroso. O final é longo. Experimentando com água, confirma-se no paladar o cheiro da pipoca, mas fica mais suave. Acrescentando uma pedra de gelo encontra-se a combinação perfeita para este whiskey, na minha opinião.
O Bourbon é um whiskey totalmente diferente de um Scotch. Gostará dele quem prefere um paladar mais doce, pois esta é a característica dos bourbons, característica herdada do milho. É um whisky ideal para ser degustado após o jantar, ouvindo uma boa música. Para quem não experimentou ainda um Bourbon, o WT81 é uma boa pedida e pode ser encontrado nos grandes supermercados e em lojas virtuais girando na casa dos R$ 90,00. Comprei o meu no Wal-Mart por R$ 74,00. Esta semana, um amigo relatou que no Pão de Açúcar estava R$ 69,00. Garimpando, dá para encontrar bons preços. Até a próxima.


Wild Turkey 81 Proof
Bourbon Teor Alc 40,5%
O olfato macio e doce tem toque de milho; no palato se torna um whiskey bastante tradicional, porque equilibra os sabores de baunilha e de caramelo.





Fontes: o livro do whisky, wikipedia, wildturkeybourbon.com

14 comentários:

  1. Oi Michel Hansen, comprei o Jack Daniels, e uma boa bebida, saborosa mas nao achei interessante como whisky, na sua opiniao, Wild Turkey 81 tem o gosto semelhante ao Jack nº7? obrigado
    Sergio Rodrigues.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde. Na minha opinião o Wild Turkey é melhor por não ser tão doce e enjoativo quanto o Nº 7. Mas continua sendo doce, como todos os bourbons. Pense num JD sem ser tão doce. Um abraço.

      Excluir
    2. Vc está comparando maçãs e bananas, meu rapaz.

      Excluir
    3. A comparação entre dois bourbons seria uma comparação entre maçãs. Maçãs e bananas seria entre um bourbon e um scotch. Porque sim, apesar do marketing e de uma legislação própria para designar o JD como um Tennessee Whiskey,tecnicamente ele não deixa se ser um bourbon. Então a comparação é justa e para complementar, além de menos doce que o JD, o WT é menos amadeirado também. Continue acompanhando e participando. Um abraço.

      Excluir
  2. Olá Michel. Tenho tomado o Wild Turkey 81 de vez em quando e tenho gostado do resultado, considerando o preço e a facilidade de aquisição.
    Quando comparado ao Wild Turkey 101 (ainda não tive a oportunidade de provar), a diferença é apenas na quantidade de água para diluir o teor alcoólico, ou são produtos de origem e envelhecimentos diferentes?
    Um abraço.
    Gláubio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite Gláubio Leite. A diferença entre o 81 e o 101, além do teor alcoólico é também o tempo de maturação. Enquanto o 81 é envelhecido entre 6 e 8 anos, o 101 é envelhecido, no mínimo, 8 anos. Um abraço.

      Excluir
  3. Por favor, entre o 81 e 0 101, qual deles tem menor teor alcoólico?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Waldir Lopes, a numeração 81 e 101 é justamente a indicação do teor alcoólico, que é medida em Proof nos EUA. Para saber em ABV, basta dividir por 2. Então, o 81 possui 40,5% de teor alcoólico enquanto que o 101 possui 50,5%. Um abraço.

      Excluir
  4. Bom dia Michel!

    Procuro dois bourbons saborosos onde o álcool não se destaque no paladar. Penso no Jack Gentleman, Jim Beam Black, Woodford Reserve e Wild Turkey 81. Quais seriam suas sugestões?

    Obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Bernardo Henrique Pires. Dos que você citou, eu escolheria na ordem, Woodford Reserve e Jim Beam Black, com as características que você espera. Os outros dois já possuem o álcool mais pronunciado. Irei publicar um review com os dois primeiros, mas já adianto que me surpreenderam bastante, muito bons e excelente custo-benefício. Um abraço.

      Excluir
    2. Muito obrigado!

      Estava focado no Jack Daniel's Gentleman, já mudei de ideia.

      Excluir
    3. Bernardo, O Gentleman em relação ao Nº 7 é bem melhor, melhor acabado e mais redondo, porém, os outros dois citados conseguem entregar mais em termos de sabor.

      Excluir
  5. Russel Reserve 10 y Russel Reserve 6 Rye (centeno), son dos de mis expresiones preferidas de Wild Turkey, nunca me ha decepcionado ninguna de sus etiquetas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Michel Texier, espero prová-las em Chile. Um abraço.

      Excluir

Dê sua opinião: