Whisky

Whisky

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Desvendando Nº 21: Jack Daniel's Old Nº 7

A história do Jack Daniel's, o whiskey mais vendido dos EUA, começa com Jasper “Jack” Newton Daniel, nascido no condado de Lincoln, no Tennessee, em 1846.


Começando a série de reviews, atendendo a vários pedidos de leitores, apaixonados por esta bebida, um whiskey do Tennessee.

A lenda diz que Jack não se dava bem com a madrasta e, com apenas 6 anos, saiu de casa, morando primeiro com um tio e depois com um fazendeiro e pastor leigo luterano, Dan Call, também dono de um alambique de whiskey. Um escravo de Call, Nearest Green, ensinou a arte de destilar para Jack.

A pressão da congregação obrigou Call a deixar o whiskey. O jovem Jack assumiu o negócio, e por volta de 1860, ainda adolescente, já era dono do alambique.


Com licença datando de 1856, a destilaria Jack Daniel é a mais antiga registrada nos EUA. Lem Motlow, sobrinho de Jack Daniel, ingressou na empresa em 1887 e herdou o negócio.

O Jack Daniel's Tennessee Whiskey já se distanciou bastante de seu modesto começo e é uma das marcas de bebidas mais conhecidas do mundo. É destilado em Lynchburg, em instalações visitadas anualmente por centenas de milhares de pessoas. No local, só podem ser compradas lembranças com o nome Jack Daniel's. É impossível adquirir o whiskey, pois Lynchburg fica no condado de Moore, onde a venda de bebidas alcoólicas é proibida.

Não há um calendário dizendo quando a bebida está pronta. A maturação varia de barril para barril e entre as posições dos barris nos depósitos. Um grupo de especialistas testa o aroma do spirit em maturação e decide quando está pronto para ser engarrafado.

A Jack Daniel é a única destilaria a fazer seus barris à mão com carvalho branco virgem. O interior é carbonizado para caramelizar os açúcares naturais da madeira. O whiskey maturado nestes cascos é profundamente suave, aromático e possui cor âmbar forte.


A Jack Daniel faz o seu carvão queimando madeira de bordo. Esse carvão é usado no Lincoln County Process, marca registrada do whiskey do Tennessee. Nesse método, o spirit é filtrado lentamente por 3 metros de carvão antes de ser maturado, resultando em um whiskey bastante aveludado. Imediatamente acima do carvão fica suspenso um cruzamento de tubos de cobre. Esses tubos são perfurados e o whiskey pinga delicadamente, sem escorrer. Há 72 desses tanques. Depois de 6 meses, o carvão deixa de servir e é preciso fazer mais. É um processo caro, custando cerca de 1 milhão de dólares anuais.

Desde 1956, o Jack Daniel's pertence à Brown-Forman, que também possui destilarias no Kentucky, produzindo o Old Forrester, o Early Times e o Woodford Reserve.

Curiosidades:
Jack Daniel morreu em 1911. frustrado por ter esquecido a combinação do cofre, chutou a porta e o ferimento infeccionou.


Está enterrado no cemitério de Lynchburg perto da destilaria. Há cadeiras perto de seu túmulo, para que seus amigos pudessem se sentar ali para bater papo.


Ninguém sabe ao certo a origem do nome do whiskey mais famoso da destilaria, o Old Nº 7. Várias são as especulações. Algumas, bem curiosas:
Apesar de Jack nunca ter se casado, algumas versões atribuem o nome da marca ao número de namoradas que ele tinha.
Outra versão diz que ele se inspirou pelo sucesso de um comerciante judeu que ele conhecia, que construíra uma rede de 7 lojas de varejo.


Notas de degustação:
Aroma: doce, baunilha. Dá para sentir pelo aroma que o whiskey é forte. Conforme descansa no copo, o cheiro do álcool vai suavizando. Caramelo e um pouco de centeio.
Paladar: sente-se um pouco o predomínio do álcool no início. Percebe-se também a madeira de carvalho. Doce. Sente-se um pouco do caramelo percebido no aroma e também um pouco de especiarias. Talvez também por causa do processo de filtragem, sente-se um fundo de carvão. Final curto, apesar da descrição oficial afirmar que é longo.

Whiskey encorpado, dourado escuro. Da primeira vez que bebi um Jack Daniel's, achei muito doce, enjoativo. É o típico whiskey “ame ou odeie”. Odiei. Não era para o meu paladar. A aversão foi tamanha que dei a garrafa a um amigo. Isto foi antes de começar a escrever sobre whisky. Depois disso, várias pessoas me pediram um review do Jack Daniel's. Mas eu não possuía mais uma garrafa e na época que bebi, não prestei atenção nos detalhes. Até que, na última Black Friday, aproveitei o desconto generoso no Pão de Açúcar, quase 70%, e comprei a família toda: Old Nº 7, Gentleman Jack e Single Barrel. Todos são o mesmo whisky, o mesmo líquido, variando detalhes da produção.


Fazendo a degustação para o review, não sei se meu paladar mudou durante este tempo (tenho um amigo que diz que o paladar muda no decorrer do tempo) ou se comecei a perceber outras coisas, mas percebi que o aroma e o sabor mudaram. Me surpreendeu.

Apesar de ser uma bebida com o menor percentual de centeio em sua composição (apenas 8%), o que eleva o percentual de milho e em consequência o deixa mais doce, achei o Old Nº 7, vejam só, menos doce, tanto no aroma quanto no paladar, e mais forte, no quesito álcool. Eu já esperava pelo aroma e sabor enjoativos que eu havia gravado na memória. Não aconteceu. Porém, a quantidade menor de doçura ainda continua doce para o meu paladar.

Recomendo para quem gosta de bourbon e quer experimentar uma bebida mundialmente reconhecida e com um processo que o torna único. Quem nunca experimentou, terá duas possibilidades: amar ou odiar.


Jack Daniel's Old Nº 7


Tennessee Whiskey Teor Alc 40%



Apresenta um aroma potente com baunilha, fumaça e alcaçuz. No palato, oferece xarope para tosse oleoso e melado, com um toque final de maple syrup e madeira carbonizada se esticando no final surpreendentemente longo. Não é particularmente complexo, mas decididamente é forte e certamente único.

7 comentários:

  1. Olá Michel, falando nele, olha o Jack aí! Eu gosto! Já observei que quando faz as degustações pro blog você menciona o sabor puro, com gelo e com água. Pela foto, você provou o Jack puro, na taça. Minha opinião é de que esse whiskey, diferentemente do que penso sobre os single malts, deve ser tomado com gelo, pois o álcool dele é muito pronunciado. Bota gelo que melhora! Abraço, Cesar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia Cesar Barbosa. Desta vez optei por não colocar as impressões com gelo porque quero fazer, depois, uma comparação entre as três garrafas: Nº 7, Gentleman e Single e, aí sim, o gelo terá um papel importante, hehe. Um abraço.

      Excluir
  2. Parabéns pelo trabalho, venho aprendendo bastante. Por favor, faça a comparação entre os três Jack's,estou curioso para ver sua opinião.

    ResponderExcluir
  3. Bom dia rgochina. Pretendo fazer um post sobre a comparação entre os três, assim como a comparação de outros whiskies. Para adiantar, para o meu gosto pessoal, a ordem de prioridade seria Gentleman, Single Barrel e Old nº 7. O primeiro por ser mais arredondado e suave, o segundo por ser mais classudo. Um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Cesar... Ouvi outra teoria quanto ao nº7.
    Na Bíblia Sagrada, o número 7 é símbolo de perfeição. Ele deve ter aprendido isso com o Rev. Dan Call e muito provável que o nº7 foi proposital para indicar que "aquele era o whiskey perfeito". Neste caso, como um grande apreciador deste "Bourboun", eu concordo com ele. Um grande abraço. Parabéns pelo Blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Celso Montal, tudo teoria. A verdade mesmo é outra. Se quiser saber, mande-me um email: michel.edu.hansen@gmail.com
      Um abraço.

      Excluir
    2. Celso Montal, tudo teoria. A verdade mesmo é outra. Se quiser saber, mande-me um email: michel.edu.hansen@gmail.com
      Um abraço.

      Excluir

Dê sua opinião: